07 agosto 2016

Resenha: Marcada - Vol 1 da Série House of Night - P. C. Cast e Kristin Cast

Título: Marcada
Título Original: Marked
Série: House of Night - Vol 1
Autoras: P. C. Cast e Kristin Cast
Gênero Romance / Young Adult / Fantasia
Número de Páginas: 327 páginas
Ano de Publicação: 2009
Editora: Novo Século
Skoob | Compre pela Amazon
 Tenho   |   Livro Físico  

Sinopse: No primeiro volume da série House of Night, começa com a protagonista Zoey Redbird, que era uma garota comum, de 16 anos, até ser marcada pela Deusa Nyx. Esse mundo é igualzinho o nosso, mas os vampiros existiam desde antigamente e conviviam pacificamente com humanos até agora. A partir daí, sua vida muda completamente e ela tem que ir morar na House of Night, porque se não, seu corpo pode rejeitar a transformação, e ela irá morrer. Porém, ela era diferente dos outros calouros (vampiros antes de completar a transformação), pois sua marca de lua crescente era completa, e tem uma estranha conexão com a Deusa Nyx.
Zoey vai descobrir que mesmo não sendo mais humana, sua vida estará longe de ser fácil, pois terá que aprender a controlar poderes que nem sabia que tinha, mas agora, com novos amigos e uma nova vida a apoiando. O que ela não conta é com um novo inimigo misterioso e poderoso, que está mais próximo do que Zoey imagina.

Marcada narra a vida de Zoey Redbird, uma garota de 16 anos, que de repente tem sua vida completamente mudada quando ela é marcada por um vampiro rastreador e precisa largar sua família problemática, amigos, namorado e tudo o que conhece para ir para a Morada da Noite, um colégio interno de vampiros, onde os vampiros adultos estão e cuja presença é importante para que a transformação se complete, pois caso seu corpo rejeite a marca ela morrerá.

A série House of Night é um pouco polêmica, li muitas críticas negativas e algumas chegando a acusá-la de ser um plágio mal feito de Crepúsculo, ou comparando-a com Harry Potter. E eu discordo totalmente, pois House of Night apresenta um enredo e toda uma mitologia completamente diferente do que é apresentado em Crepúsculo e em outros livros do gênero.

As autoras criaram um novo universo, onde vampiros e humanos coexistem (não sem conflitos), e abordam um lado devocional/religioso que eu nunca tinha visto antes. Elas também criam uma nova forma de transformação em vampiros, em House of Night os humanos são marcados por vampiros rastreadores, sem mordidas, sem sangue infectado e tudo o mais que já foi apresentado em outros livros. Quando se é marcado, você recebe uma espécie de tatuagem em forma de contorno de uma lua crescente entre as sobrancelhas, seu corpo adoece e começa a passar pela transformação. Caso complete a transformação e se torne um vampiro adulto, o contorno da marca se preencherá num tom azul safira.

Na Morada da Noite, os novatos (como são chamados os recém-marcados) estudam sobre a história dos vampiros, desenvolvem habilidades como atuação, equitação ou esgrima, aprendem a lidar com a sede de sangue (sim eles bebem sangue), criam laços de devoção com Nyx (personificação da noite e Deusa dos vampiros), e alguns recebem “dons” da Deusa (poderes!).

Zoey é descendente do povo Cherokee (povo indígena norte-americano), herança de sua avó e que ela representa com muito orgulho e respeito, e vemos muitas referências ao longo do livro. Desde que sua mãe se casou há três anos com John Heffer, seu “padrastotário” cristão fanático e extremamente controlador, sua mãe mudou completamente seu comportamento e o jeito de se relacionar com os filhos. Segundo Zoey, sua irmã, líder de torcida do colégio, é uma garota fácil que já transou com metade do time de futebol, e seu irmão é um falso. Os dois fingem ser uma família perfeita para não entrar em conflito com os pais.

Confesso que desde o início senti uma espécie de aversão à Kayla, “melhor amiga” de Zoey, que desde o primeiro momento em que apareceu no livro (primeira página) se mostrou completamente fútil e egoísta (sem falar na maneira odiosa como agiu quando Zoey foi marcada).

Heath, que Zoey faz questão de sempre lembrar que é seu "ex-quase-namorado", com quem viveu um romance desde a terceira série, mas que ultimamente tem abusado da bebida e isso faz com que Zoey queria vê-lo cada vez menos.

O enredo mistura magia e mitologia, a ancestralidade Cherokee, e vampiros de uma forma tão envolvente que fiquei encantada pela história e li o livro em apenas algumas horas!

A série possui uma linguagem leve e descontraída. E ao contrário de muitos, não considero o livro cansativo. Gosto quando a série possui muitos livros, pois quando nos identificamos com os personagens acabamos crescendo junto com eles. E eu me identifiquei muito com a protagonista, complicada e que só quer um lugar para se encaixar, Zoey vive se metendo em confusões e dilemas emocionais.

"Nem sempre escuridão equivale ao mal, assim com nem sempre a luz traz o bem."

Super recomendo a leitura! E você, já leu o livro? O que achou? Me diz aí! Até mais, beijos.
Carol Rocha

Carol Rocha, Grifinória, Wonder Woman, Sakura Card Captors e unicórnios. Tenho uma playlist para cada momento da minha vida, jogo The Sims™ desde sempre, coleciono livros e tarôs e sonho em ter uma biblioteca em casa. A vida pode estar um caos, mas os meus livros estão sempre organizados.

0 comentários:

Postar um comentário