21 agosto 2016

Entrevista com a autora Kézia Martins


Kézia Martins nasceu em Rondônia, em uma cidadezinha afastada de tudo, chamada Colorado do Oeste. Publicou seu primeiro livro em 2015 gratuitamente para seus leitores e pessoas que possam ter interesse em suas palavras. A Kézia é administradora da página Leitores Anônimos  dona da página Leitura e Afins e do blog Buscando Sonhos. Ela já foi jornalista, apesar de nunca ter feito faculdade e está pensando em seguir esse ramo futuramente com a faculdade, além da escrita. Ela também é ilustradora. Kézia também trabalha na internet como Colunista dos sites e blogs: Namorada CriativaSuperelaPausa Para Um Café e Desejo Adolescente. Está terminando seu segundo livro que, dessa vez, pretende publicar nas livrarias.

Confira a entrevista com a autora, Kézia Martins:

1 - Como foi o seu primeiro contato com a literatura? 
Não comecei a ler desde nova, como outros muitos escritores. Na verdade, eu ODIAVA ler. Quando eu era menor, meu negócio mesmo era desenhar e assistir TV (uma coisa que me arrependo muito hoje em dia), livro pra mim era só gibis (e ainda era uma leitura difícil), isso foi até meus 12 anos de idade, quando uma amiga/vizinha me apresentou a série Harry Potter. Esse foi o primeiro livro que li, de fato. O livro que nos faz ficar preso a cada página e nos faz descobrir o que é realmente uma leitura prazerosa, o tipo de livro que conseguimos descobrir que o problema não estava na gente, mas sim nos gêneros literários que nos mandavam ler. Harry Potter está comigo até hoje e cada dia aprendo mais com esse livro.

2 - Com quantos anos começou a escrever? 
Foi com uns 14 anos, logo depois que comecei a criar gosto pela leitura. Descobri o blog Depois dos Quinze e me apaixonei pelo jeito que a Bruna escrevia (sabiam que o blog antigamente se chamava BrMaybe?) e todo o sentimento verdadeiro que ela colocava no texto. As minhas palavras não surgiram por causa de um amor doloroso, foi por simplesmente vontade de escrever algo que eu ainda não sabia como dizer.

3 - Você se inspira em alguém quando vai escrever? 
Sim. Meus textos nunca são totalmente sobre mim, muitos deles nem chegam a falar de mim. O que eu escrevo é o que eu penso sobre determinado assunto, misturado com um acontecimento de algum amigo, de alguma conversa que ouvi no banco do ônibus, algum fato televisivo, algum desabafo repentino, são essas as minhas histórias. São pequenas histórias de todo mundo.

4 - Tem algum escritor/escritora que te inspira?
Sim. Bruna Vieira, ela foi a pessoa que me fez começar a escrever, mas também me inspiro muito na J.K., pro ter me feito descobrir esse universo mágico que é a leitura, e a Sophia Kinsella, que descobri a “pouco” tempo e que me fez ver o tipo de gênero literário que quero escrever a partir de agora. Quero poder arrancar, assim como ela, risadas e sorrisos sinceros na leitura.

5 - Quais as dificuldades que você enfrenta quando vai escrever? 
A maior dificuldade é essa procrastinação que tenho com a escrita. Não é porque eu não quero, é porque sempre acabo fazendo outra coisa que não deveria ser feita na hora. Ou até mesmo quando eu QUERO MUITO escrever, mas as palavras não vêm do modo certo, do modo que eu imaginava. O que é estranho, às vezes não parece que sou eu quem escrevo, às vezes parece que tem alguma força que me guia e não me faz parar até chegar no ponto final certo.

6 - Qual o seu livro preferido? 
Harry Potter, não tem como não falar dele kkkkk. Também gosto muito de A Seleção, acho que é porque eu sempre fui viciada na Cinderela quando pequena kkkkk.

7 - Quais as dificuldades de ser um escritor atualmente no Brasil? 
As editoras em si, os meios de divulgação. Tem muito escritor bom e desconhecido por ai, escritores que já escreveram livros incríveis, mas que não fizeram tanto sucesso assim, porque não foram divulgados o suficiente. Se você quiser ter seu livro publicado por uma editora com um público bom, você também tem que ter um público bom, senão o jeito é pagar pelo seu livro, para que a editora publique ele e divulgue por alguns dias. Sem contar nas editoras caloteiras que pegam o dinheiro do escritor e não se tem mais notícia dela.

8 - E para fechar, manda uma mensagem para os seus leitores! 
Obrigada por serem tão incríveis! Obrigada pelas palavras que depositam em mim, pela confiança que me dão e pelo carinho enorme. Eu só tenho que agradecer, pois vocês já me ajudaram em coisas incríveis e me fizeram ganhar muitas outras. Antigamente eu escrevia só para mim e achava isso bom, mas hoje vejo que bom mesmo é encontrar pessoas que conseguem entender nosso coração. Vocês são minha inspiração!

Gente, ela não é um amor?  Impossível não se apaixonar! E o livro está disponível para compra na Amazon, é só clicar aqui.

Kézia, eu não menti quando disse que virei sua fã! Mulher, não pare de escrever nunca na vida! E não deixe mais nada na pasta de “Textos nada a ver”, definitivamente eles têm tudo a ver, e podem ser exatamente o que alguém precisa ler naquele momento da vida.  E pelamordedeus publica Palavridario porque eu PRECISO dele pra vida inteira! E todas as pessoas do mundo precisam ler esse livro! E quero autógrafo! E quero mais amor traduzido por suas palavras! 
Carol Rocha

Carol Rocha, Grifinória, Wonder Woman, Sakura Card Captors e unicórnios. Tenho uma playlist para cada momento da minha vida, jogo The Sims™ desde sempre, coleciono livros e tarôs e sonho em ter uma biblioteca em casa. A vida pode estar um caos, mas os meus livros estão sempre organizados.

0 comentários:

Postar um comentário